A data da fundação de Torres Novas mantém-se incerta até aos nossos dias.
Segundo a História lendária, e sem factos documentais que o provem, alguns autores dão-na como fundada pelos gregos, que a terão apelidado de Nova Torre (Neupergama). Mais tarde, Torres Novas terá sido conquistada pelos Romanos, que por sua vez, a chamaram de Nova Augusta, por lhe encontrarem algumas semelhanças com Bracara Augusta (Braga). Existem ainda outros autores que atribuem a fundação da vila aos celtas, no ano de 308 a.C.. Seguro é, no entanto, a presença romana na região, comprovada pelas ruínas romanas de vila Cardílio.
Cerca de 715 a.C., Torres Novas passou a estar sob o domínio dos árabes, que aqui se mantiveram durante séculos. Já na época da Reconquista Cristã, muitas foram as dificuldades encontradas pelos Cristãos para vencerem os Mouros e só depois de diversos avanços e recuos a antiga vila foi conquistada, em 1148, por D. Afonso Henriques. Após várias tomadas e perdidas, o castelo foi definitivamente conquistado em 1190 por D. Sancho I que lhe atribui, em 1 de Outubro desse ano, o primeiro foral e manda reconstruir o castelo, que havia ficado extremamente devastado.
 
Castelo
Com uma construção que remonta a épocas distantes, o castelo de Torres Novas foi uma fortaleza árabe antes do início da reconquista cristã. Só em 1190 é definitivamente conquistada pelos cristãos, altura em que D. Sancho I concede à vila o seu primeiro foral.
Alvo de diversas reconstruções, no castelo já esteve instalado o cemitério municipal e na alcaidaria funcionou a cadeia comarcã. Classificado desde 1910 como Monumento Nacional, este é um dos mais bem preservados castelos do nosso país.
 
D. Sancho I
D. Sancho I foi o segundo rei de Portugal, filho de D. Afonso Henriques. Em termos de administração, D. Sancho I, durante o seu reinado, teve como grande preocupação o povoamento de terras, tendo criado diversos concelhos e concedido cartas de foral, entre elas, a de Torres Novas, datada de 1190.
 
Avenida 8 de Julho
Foi no dia 8 de Julho de 1985 que a vila de Torres Novas foi elevada a cidade. O jornal O Almonda noticiava o facto na sua edição de 12 de Julho de 1985.
Nas propostas dos grupos parlamentares dos partidos, alegava-se a situação geográfica, privilegiada, as importantes indústrias de metalurgia, têxtil, de transformação do papel e do álcool e a riqueza agrícola.
Localizada nas margens do rio Almonda, Torres Novas desenvolveu-se primeiro dentro das muralhas do castelo para se expandir até aos cerca de 12 km2 que hoje constituem a sua área urbana. Hoje vivem na cidade cerca de 14000 pessoas, contra as 10000 que a habitavam em 1985. Detentora de um património histórico e arquitectónico considerável, oferece, atualmente, um conjunto de recursos culturais e desportivos sediados em modernos edifícios. Os espaços e os lugares produzem novos hábitos, renovadas paisagens onde o castelo e os velhos templos convivem com novas construções e vias de comunicação mais adequadas ao tempo presente.
Todos os anos, o município torrejano celebra a data promovendo as Festas da Cidade, atualmente designadas Festas do Almonda, com um programa extenso e de grande qualidade. O público das festas já excede em larga escala a população da cidade e do concelho, sendo um motivo de atratividade para os de fora e um sinal do florescente dinamismo cultural da cidade, visível também pela regular programação do Teatro Virgínia.
 
Distância: 10500 metros Velocidade média 1 m/s Tempo do percurso 180 minutos | Download